A PARÓQUIA

Sublinhando o panorama da Praça Barão do Campo Belo, tendo à direita a Rua Barão de Tinguá, à esquerda, a Rua Luiz Pinheiro Werneck e aos fundos a Praça Sebastião de Lacerda, se eleva a Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Em 1282, uma subscrição promovida por Custódio Ferreira Leite e seus sobrinhos, propiciou o início da elevação de uma capela à margem da Estrada da Polícia, em terras doadas por Francisco José Teixeira.
Em 1829, é concluída a Capela Mor. A Capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, teve, em 1838, sua ampliação determinada pelo governo da Província que mandou construir o corpo da Igreja, as duas torres, consistórios e a sacristia.
No ano de 1967, a Matriz sofreu algumas modificações para atender as diretrizes do Concílio Vaticano II. A Irmandade Nossa Senhora da Conceição da Freguesia de Vassouras, contudo, endendeu-a como Patrimônio Histórico. Por isso mesmo, acompanhou as modificações, evitando a descaracterização da Igreja.

Tombado pelo Iphan, em 1958, o conjunto histórico urbanístico e paisagístico de Vassouras é fruto do apogeu econômico que originou a riqueza dos fazendeiros de café, barões e viscondes. O principal eixo do Centro Histórico é a Rua Barão de Vassouras, que se inicia junto à antiga Estação Ferroviária. Adiante, encontram-se as casas do Barão de Massambará e do Barão de Vassouras. A Câmara Municipal e o Paço Municipal demonstram a importância política da cidade, no período colonial.
Em um local não identificado do imenso átrio da Igreja Matriz de Vassouras, segundo o Livro 1 de Óbito, folha 104, de 21 de julho de 1846, está enterrado Francisco Rodrigues Alves, fundador do povoado de Vassouras.
O atual Pároco é o Padre José Antonio da Silva, que revolucionou a Paróquia, priorizando a formação progressiva e permanente das lideranças e a renovação dos quadros ministeriais.